quinta-feira, 18 de abril de 2013

TILS- Tradutores e Intérpretes da Língua Brasileira de Sinais


Tradutores e Intérpretes da Língua Brasileira de Sinais

Sinal: Intérprete.

Segundo o dicionário Aurélio, intérprete é a pessoa que serve de intermediário para fazer compreender indivíduos que falam diferentes idiomas.
Além de conhecer profundamente a Língua Brasileira de Sinais e as técnicas de interpretação, o intérprete deve sempre manter sua ética profissional e estar atento quanto à vestimenta, aparência pessoal, iluminação, local, fundo visual, barulhos laterais, acomodações, posição natural para sinalizar, tempo de interpretação, expressões faciais, uso do alfabeto manual, tautologia, expressões idiomáticas, possíveis distrações e outros.
O intérprete deve se manter imparcial, evitando com que religião ou vínculos de amizade interfira em seu trabalho. O processo de interpretação é uma habilidade científica que o cérebro aprende após muito treino e dedicação, portanto ser filho de pais surdos não é sinônimo de qualificação. Além disso, o intérprete tem que ser bilíngue, procurar participar de seminários, saber trabalhar em equipe, ter equilíbrio durante a interpretação e ser capaz de admitir suas limitações quando não se sentir capaz.

E como se preparar para ser um intérprete? 


           Inicialmente as pessoas interessadas deverão frequentar cursos de Língua de Sinais e ter convivência com os Surdos nas associações, a fim de praticarem o que tem aprendido. Não basta apenas ter conhecimento da língua de sinais, é muito importante que se tenha uma boa fluência para ser tornar um profissional versátil para interpretar da Língua de Sinais para a Língua Portuguesa e vice-versa. Assim como o respeito e a postura ética em sua atuação com a Pessoa Surda são fundamentais para o reconhecimento positivo de seu trabalho. Interpretar exige esforço físico e mental, envolve ética profissional, desempenho e competência. Por tudo isso, é uma profissão que exige um revezamento, de preferência previamente estabelecido, no momento em que está sendo executada. No entanto, atualmente, é comum encontrar muitos intérpretes sacrificados, sobrecarregados no exercício de sua profissão. Como exemplo, cito a incidência da LER (Lesões por Esforço Repetitivo), que pode ser motivo de interrupção da carreira
A Lei nº 12.319, de 1º/09/2010, regulamentou a profissão do Tradutor e Intérprete da Libras. Na prática, o intérprete serve de ponte entre os surdos usuários da Libras e os ouvintes, com objetivo de estabelecer a comunicação entre ambos. Assim, se o Decreto nº 5.626/2005 fosse cumprido, veríamos em todos os órgãos públicos, hospitais e escolas a atuação desse profissional.


Fontes:
http://www.feneis.org.br/page/interpretes.asp
http://www.apilrj.org.br
http://danianepereira.blogspot.com.br
http://sinprolsdf.blogspot.com.br
http://libraseducandosurdos.blogspot.com.br
Em 18 e 19 /04/13 

Nenhum comentário:

Postar um comentário